Sumaré Snooker Bar — Botecão e sinuca

A mesa de sinuca é onde um verdadeiro botequeiro se revela. Perto da PUC-SP, há o Sumaré Snooker Bar. Obviamente, o Luis (que está deixando de ser pão duro e entocado) acabou topando ir ao lugar e chamamos o Leo, que decidiu bancar o estudioso naquela noite para um curso da empresa. O cara seria fundamental para a parada, pois eu estava com a mão imobilizada e é meio complicado jogar sinuca nessa situação (Para curiosos, quebrei um dedo no jogo de handebol). Só que botequeiro é que nem brasileiro, não desiste nunca. Abandonamos a mesa, mas só a de sinuca.

 

A entrada do bar fica em uma significativa ladeira da Rua Ministro Gastão Mesquita, que desemboca na Av. Sumaré. Se você estiver do lado certo da Sumaré, é contramão. Só que na rua ao lado há uma área de estacionamento iluminada e não há pessoas querendo olhar seu carro. Acho que deve ser o último lugar do Brasil sem essa pentelhação.

 

Não há como negar que a preocupação do lugar é a sinuca, pois faz questão de parecer botecão. Curto alguns elementos arquitetônicos rústicos, como ausência de forro no teto e ver as telhas. Só que ali, esse esquema não é trabalhado direito e há também um sério problema de pouca iluminação que é feita com luz fria (de boa, já basta o escritório).

 

Como não iríamos jogar sinuca, optamos por sentar longe do barulho das 11 mesas. Escolhemos uma área que possui gigantescas janelas de vidro — a vista é irada, você consegue olhar boa parte da Sumaré. Chegamos às 22 horas e não havia muitas pessoas. Já às 00, era só barulho de tacada. Até as 20 horas, rola uma promoção de jogar 2 e pagar uma. É uma tremenda vantagem, afinal a mesa custa absurdos R$14,00/hora.

 

Ao sentarmos, rolou aquele sorriso ao olhar o cardápio. Eles servem garrafas de Original/Bohemia (R$ 5,50), Brahma (R$ 4,50). Há também longnecks, como Skol Beats (R$ 4,00), Brahma Malzibier (R$ 3,00). Se o Lula quisesse aparecer por lá, tem a Kronembier (R$ 3,00). Chamamos o garçom que foi gente boa e até falou da Patrícia (R$ 14,00), cerveja uruguaia.

 

Acabamos optando pela cerveja famigerada Norteña (R$ 14,00), também uruguaia. Não é a das minhas preferidas, mas aceitei pelo Luis que não conhecia e achou parecido com Brahma (deixei ele tirar as próprias conclusões).  Eu acho que é meio “aguada” e uma ótima pedida para quem gosta de cervejas do tipo Draft como a Miller (norte-americana) pela leveza. Como já disse em outros posts, estou em uma fase de cervejas encorpadas.

 

 

A garrafa chamou a atenção do meu amigo por ser meio gorducha e ter 960 ml (to pensando em lançar uma campanha para as brejas brasileiras adotarem esse tamanho, quem topa?). Aliás, ela chegou trincando, mas não havia camisinha (controlem seus hormônios) para a garrafa importada.  Acho meio complicado isso, afinal é uma boa quantidade de breja para esquentar e, isso, é pecado mortal.

 

Depois de uns dois copos e muita conversa boa e séria, escolhemos bolinho de abóbora com carne seca para acompanhar. Demorou um bocado para os poucos garçons perceberem que dois caras de 2 metros queriam fazer o pedido. Havia no máximo três pessoas atendendo. A apresentação (jeito que veio) dos bolinhos é de boteco e não falta saches de ketchup e de maionese (aow, mania de colocar esses molhos em tudo), saquem a imagem.

 

 

Um ano atrás, pedi provolone à milanesa (hoje, R$15,00) no mesmo local e percebi que é possível ingerir puro óleo em cubos. Foi a mesma coisa com as 10 unidades dos bolinhos. Além disso, o sabor de algo congelado durante muito tempo e até mesmo de óleo velho foi tenso. A draga do Luis também reclamou, mas comeu boa parte. Acho a arte de embeber em gordura as frituras faz parte de muitos botecos e da própria cultura, só não faz nada bem para a saúde (seja botequeiro, mas não tonto).

 

Há as pizzas básicas no cardápio, o que talvez seja bem mais interessante, mas não sei dizer a qualidade. Um ponto muito positivo é que há comanda individual, entretanto você paga R$15,00 para entrar. O valor não é cobrado se seu gasto for igual ou superior a esse valor. Portanto, joguem sinuca e bebam para atingir esse valor (não preciso dizer para evitar frituras nesse bar). Caso contrário, é muito desperdício.

 

O banheiro também segue o esquema de boteco e é possível encontrar certa literatura na porta.

 

Onde? R. Ministro Gastão Mesquita, 31 – Sumaré – São Paulo

Telefone: (11) 3672-7143

Cartões: Visa | Mastercard

Horário: De domingo a sábado, das 17h até a última tacada

Faixa Etária: 18 a 25

Site Oficial: www.sumaresnookerbar.com.br

Anúncios

Posted on 16/09/2008, in Choppzzz, Pra forrar o bucho, Pra pegar no taco, Todas and tagged , , , , , , , , , , , , , , , , , , . Bookmark the permalink. 1 Comentário.

  1. …. Ola, estava procurando no google informações sobre o Snooker Sumare(pois vou reunir uma galera para comemorar meu niver no proximo fds) e ele casualmente me trouxe ate aki… O site do Snooker não da muitas inf. e eles nem respondem e-mails (isso tava me deixando com pe atras) Mas seu blog tem mais inf. que o proprio site deles… isso é muito interessante… Bom obrigada pelas dicas… e vou ficar longe das frituras de la tambem… ahahaha… Ah e se quiser aparecer por la sera muito legal conhecer o cara que me deu inf. validas sobre o lugar…

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: